A Canonização: uma Análise da Estrutura e Simbolismo

O poema ‘Canonização’ de John Donne, com suas analogias espirituosas e uso inventivo de vaidades, exemplifica a poesia metafísica. O poema começa abruptamente, de maneira típica de Donne. O orador está se dirigindo a alguém que parece desaprovar seu amor. Ele pede ao destinatário que fique calado ou o repreenda…

A Natureza do Amor na Poesia de Donne

‘A Deidade do Amor’ é um poema antilírico; em vez de lamentar a inconstância do amor ou celebrar a união do amor, Donne questiona a natureza do próprio amor. Donne apresenta o poema como uma teogonia, um relato sobre a origem do deus do amor. Para Donne, o amor é…

Poema A Pulga de John Donne

A Pulga de John Donne é um poema de amor metafísico que toma a forma de uma narrativa erótica e humorística. O tema predominante neste poema é a sedução que é ilustrada usando uma concepção persuasiva de uma pulga humilde. A figura marcadamente original da pulga é usada para demonstrar…

Forma e Estrutura da Poesia Metafísica de Donne

No poema de amor metafísico de Donne, ‘A Valediction’: De Chorar’, a noção central é a de esferas e ciclos. Isto corrobora com a afirmação de Parfitt de que ‘ na estase lírica do mundo de Donne é rara'[1], que é expressa em ‘A Valediction’ através de uma seqüência constante…

Conceitos de Fé e Amor nas Obras de Donne

Os poetas metafísicos da Renascença procuraram explorar conceitos universais de religião e amor, tendo como pano de fundo grandes mudanças sociais e religiosas. O principal contribuinte do movimento foi, sem dúvida, John Donne, cuja poesia foi inovadora por seu uso elaborado da vaidade na representação e discussão destes temas duradouros.…

Significância do Mapeamento em Donne’s Works

Em seu livro Mapas e Memória na Inglaterra Antiga Moderna: A Sense of Place, Rhonda Lemke Stanford discute a importância dos mapas na literatura inglesa moderna primitiva. Ela explora como as metáforas cartográficas não são ‘apenas mais um tropo de descrição’, mas como poetas e autores usam técnicas modernas de…

Dualidade do Mundo no Sol Nascente

Separação de Dois Mundos Dentro do ‘O Sol Nascente’ de John Donne Publicado em 1633, o poema de John Donne ‘O Sol Nascente’ representa uma era de estratégias literárias metafísicas. A fim de capturar o amor fascinante dos dois personagens do poema, Donne usa com astúcia personificação, simbolismo, hiperbolos e…

Simbolismo Bíblico em Batter My Heart

Irresolução do Paradoxo em ‘Batter My Heart’ de Donne O ‘Santo Soneto XIV’ de John Donne está repleto de imagens e linguagem bíblicas sugestivas de platitude salpicista. Batam meu coração, três pessoas de Deus; pois, vocês Até agora, mas batam, respirem, brilhem e procurem consertar; Para que eu me levante,…

John Donne e as Subjetividades Femininas

A repugnante descrição de Edmund Spenser de Duessa sendo despojada em A Rainha das Fadas (Livro I, Canto VIII, Stanzas 45-49) contrasta emocionalmente com a glorificante descrição de John Donne do corpo de seu amante no poema ‘Elegy XIX’: À sua amante que vai para a cama’. Ambas as obras…

Os Sagrados Sonetos e a Cultura Textual

Os Sagrados Sonetos de Donne têm sido considerados há muito tempo exemplos clássicos de poesia renascentista. Eles só foram impressos após sua morte em 1631, sendo a primeira impressão em 1633, e três sonetos adicionais foram acrescentados algum tempo depois, quando outro manuscrito foi descoberto. Este ensaio vai analisar a…

Morte suave: O Conceito de Perda na Poesia de Donne

A Valediction Forbidding Mourning’ de John Donne abre com um reconhecimento da morte de ‘homens virtuosos’. O conceito de morte, como fundamentado na primeira linha, é uma forma extremamente marcante de iniciar um poema. Esta abertura marcante é uma característica típica da poesia metafísica. Normalmente, porém, esta clareza em relação…