Objetivo da comunicação em ‘The Dew Breaker’

Muitas pessoas no mundo de hoje têm problemas quando se trata de comunicação. Na literatura, muitos autores usam a comunicação como uma forma de criar relacionamentos ou de criar barreiras em um só. No romance The Dew Breaker, de Edwidge Danticat, muitos personagens lutam quando se trata de se comunicar sobre seu passado, enquanto outros prosperam ao aceitá-lo. Isto é mostrado em todo o romance, entretanto, três histórias que mostram isto em particular são, ‘Sete’, ‘Conversas Noturnas’, e ‘Caudas de Macaco’. Danticat usa a comunicação para representar um tema que quanto mais pessoas comunicam sobre seu passado e segredos, mais fácil é para elas aceitá-los.

No segundo conto do romance, ‘Sete’, é apresentado um homem cuja esposa é sua esposa. Eles não se vêem há sete anos. Após esta longa separação, começa a ocorrer a formação de uma barreira. Eles sabem que sentiram falta um do outro e que se amam, mas não sabem realmente como agir ao redor um do outro. A situação é quase estranha. O marido até tem medo de como dizer a sua esposa que a ama. Ele pensa nisso primeiro e diz: ‘É uma pena, que em crioulo a palavra para amor, renmen, seja também a palavra para gostar’ (Danticat 43), então em vez de apenas dizer que amo você, ele teria que usá-la em uma frase para explicar o quanto ele a amava. Devido à separação de sete anos, ele não sabia o que acrescentar a ela, então, em vez disso, ele não disse absolutamente nada. Isto mais os assuntos nem dividem com os outros todos aumentam a barreira. Há também uma barreira lingüística entre eles. O marido que viveu na América sete anos antes da chegada de sua esposa se acostumou com sua vida. Embora a esposa ache isso muito difícil porque não só não está familiarizada com a cidade, mas não sabe falar inglês, criando outra barreira de comunicação entre ela e o mundo ao seu redor. Quanto mais tempo eles vão embora não se comuniquem sobre seus últimos sete anos, maior a barreira entre eles se torna. Danticat usa esta barreira devido à falta de comunicação para apoiar o tema de que quanto mais você esconde seu passado, mais difícil será avançar.

A próxima história que representa o tema da comunicação é, ‘Conversadores Noturnos’. Os Faladores Noturnos são, ‘pessoas que molham suas camas, não com urina, mas com palavras’ (98). Este capítulo recebe este título porque muitos personagens nele têm esta característica. A primeira pessoa que encontramos é tanto Estina quanto Dany. Dany é um jovem que vive em Nova York e volta para casa no Haiti para contar a sua tia Estina sobre a descoberta do homem que matou seus pais anos atrás. Estina não se importa em pensar neste terror passado que ela e Dany experimentaram, ao invés disso, ela abraça seu passado e não tem vergonha disso. Este não é o caso de Dany, embora ele esteja decidido a viver no passado e a discuti-lo com Estina. Uma das noites mais ‘tagarelas’ de Dany, ele sonha em terminar sua conversa com sua tia sobre o homem que matou seus pais, quando sua própria voz o abala. Quando ele acorda, ele descobre que sua tia também está acordada. Uma vez que ela adormece, ele também ouve suas palavras murmuradas durante o sono, acabando se tornando as últimas palavras que ele ouviu dela. O último falador da noite que encontramos é Claude. Danticat retrata Claude como tendo mais sorte em falar à noite porque, em vez de apenas falar seus pesadelos em voz alta para si mesmo, ele é capaz de falar seus pesadelos também para os outros. No entanto, ele nem sempre consegue fazer isso por causa de sua barreira da língua inglesa. Este capítulo está relacionado com o tema da comunicação presente em todos os capítulos. Dany não tem a oportunidade de dizer a sua tia o que queria sobre o barbeiro, mas a comunicação parece ter acontecido. Como conversadores noturnos, existe uma conexão intangível entre os dois criando uma forma de comunicação inconsciente.

Finalmente o tema da comunicação está presente em, ‘Rabos de macaco’. O personagem principal neste capítulo é Michel. Michel é do Haiti e, como a maioria tem um passado complicado. Entretanto, ao contrário da maioria dos outros personagens do romance, Michel não tem medo de comunicar seu passado. Michel está tão empenhado em garantir que ele não mantenha seu passado escondido como sua mãe fez com ele, que cria um livro de memórias para dar a seu filho. Ou seja, o capítulo inteiro representa uma forma de comunicação. Ele quer compartilhar seu passado de infância e seu presente como pai com seu filho para que ele não enfrente a chance de uma barreira de relacionamento entre eles, como Ka e Sr. Bienaime. Michel comunica seu passado de não crescer com um pai, apenas para descobrir que ele viveu do outro lado da rua o tempo todo, tornando fácil para ele aceitar. Danticat cria michel para contrasta-lo com outros personagens como o Sr. Bienaime, Dany e o homem e a mulher em sete para mostrar que a única maneira de seguir em frente é aceitar o passado e comunicá-lo.

Ao longo do romance Danticat tem usado o tema da comunicação para representar muitas coisas diferentes. Em ‘Sete’, para mostrar como a não comunicação durante tanto tempo pode afetar uma relação. Em, ‘Conversas Noturnas’, para mostrar que estar consciente de um medo é uma coisa, mas ser capaz de comunicá-lo é algo completamente diferente. Finalmente, em ‘Monkey Tails’, Danticat mostra que comunicar o passado leva a um relacionamento melhor entre duas pessoas. Entretanto, o tema geral da comunicação presente em todos os capítulos é: quanto mais as pessoas comunicam seu passado e segredos, mais fácil é para elas aceitá-los e seguir em frente. Este é um problema que ainda é evidente no mundo de hoje. Muitas pessoas ainda não sabem como comunicar seu passado ou têm medo de fazê-lo.