Primeiras Impressões em O Orgulho e o Preconceito de Jane Austen

Sempre que alguém pensa em Jane Austen, não é surpresa que possa pensar no seu romance mais vendido, Orgulho e Preconceito. Entretanto, muitos não conseguem perceber que Orgulho e Preconceito não era o título original de sua famosa obra escrita e que foi preciso muitos editores para convencê-la a mudar seu título original Primeiras Impressões para Orgulho e Preconceito. Há muitos momentos no livro onde as primeiras impressões dos personagens desempenham um grande papel e Austen fez isso para mostrar aos leitores que as primeiras impressões podem ser enganosas porque, no entanto, os personagens podem ou não ser o que eles retrataram como. Embora o segundo título tenha conquistado sua fama sobre o livro, é de fato a Primeira Impressão que se pode acreditar que se encaixa melhor no livro porque serve melhor ao enredo ao lado da natureza dos personagens satíricos que Austin criou.

O romance começa com múltiplas primeiras impressões dos personagens do livro, especialmente do arrogante Sr. Darcy e do solteirão Sr. Bingley. Dois membros da sociedade de classe alta da Inglaterra, o Sr. Darcy e o Sr. Bingley visitam uma cidade da Inglaterra na qual os solteiros de classe média aguardam sua chegada. O primeiro volume concentra-se nestes dois círculos diferentes que se reúnem para se encontrar em bailes extravagantes feitos em homenagem à sua chegada. Para dizer o mínimo, as duas personagens principais do romance, Elizabeth Bennet e o Sr. Fitzwilliam Darcy se encontram no primeiro baile e já, as primeiras impressões um do outro são menos que ideais, com ambos os personagens pensando tão negativamente um do outro. Darcy comenta que Elizabeth é ‘tolerável; mas não é suficientemente bonito para me tentar’ (11) enquanto que a primeira impressão de Elizabeth sobre o Sr. Darcy é em resposta ao que ele disse sobre ela a deixou ‘sem sentimentos muito cordiais para com ele’ (11). Em tão pouco tempo que estes dois mal puderam se encontrar, eles já começaram a formar uma antipatia que os cegará um do outro durante toda a primeira metade do livro. Além disso, a Sra. Bennet foi rápida em julgar o Sr. Darcy com base na primeira impressão que ele havia dado às pessoas no baile, especialmente quando ele falou ao antipático de Elizabeth quando lhe perguntaram se ele gostaria de ser apresentado a ela. Ela disse: ‘Tão alto e tão convencido que não havia como durar com ele! Ele andou aqui, e ele andou ali, imaginando-se tão grande! … Eu detesto muito o homem’ (13). Já ao ver como ele se apresentou no baile, a Sra. Bennet recebeu uma primeira impressão ruim do Sr. Darcy. Muitos personagens são rápidos para julgar o Sr. Darcy por causa da primeira impressão que ele deu no baile quando chegou de Londres e é esta primeira impressão que os cega da realidade de sua vida.

Não só a Sra. Bennet falou tão negativamente do Sr. Darcy baseado no que viu no baile e no que ouviu de Elizabeth, mas também comentou e falou sobre a primeira impressão que ela teve do Sr. Bingley. A mãe da família Bennet fez vários comentários sobre o Sr. Darcy e o Sr. Bingley no baile. Apesar de não gostar do Sr. Darcy por ter rejeitado Elizabeth, a Sra. Bennet se gabou de como ele elogiou e dançou com a irmã de Elizabeth Jane. Ela diz: ‘O Sr. Bingley a achou muito bonita, e dançou com ela duas vezes’. Só de pensar nisso, minha querida; ele realmente dançou com ela duas vezes; e ela foi a única criatura na sala que ele pediu uma segunda vez… Estou muito contente com ele’. Ele é tão excessivamente bonito’! (12). A Sra. Bennet estava elogiando o Sr. Bingley depois da primeira impressão que ele deu no baile quando pediu a Jane para dançar duas vezes com ele. Para ela, dançar várias vezes é considerado um elogio e, por causa disso, ele se torna seu solteirão favorito da noite. Depois de conhecer o Sr. Darcy em tão pouco tempo, ele se tornou o centro das críticas de toda a cidade apenas por causa de como ele se retratou no baile. O exagero de rumores, ironia e fofocas do povo que ocorreram na época vai mostrar a sátira que Austen usa em seu romance.

A sátira que Austen mostra quando as pessoas fofocam sobre o Sr. Darcy nem sequer faz parte da sátira que ela define no livro. Ao longo do primeiro volume, vemos com freqüência Elizabeth tomar decisões rápidas sobre os personagens apesar de pouca ou nenhuma interação com eles, mas é no próximo volume que começamos a ver as discrepâncias entre a vida real e os personagens desta sátira. Nesta seção do livro, Elizabeth começa a pegar os eventos e dobrá-los para adequá-los a sua própria visão pessoal do mundo, como visto quando Jane lhe envia uma carta sobre a tentativa de localizar o Sr. Bingley em Londres. Apesar do fato de Jane nunca interagir com o Sr. Bingley, e Jane apenas conversar com sua irmã, Elizabeth imediatamente assume que o Sr. Bingley está por trás de tudo isso, alegando que ‘Seu caráter afundou (mais) a cada revisão,’ (Austen 144-145) ignorando a possibilidade provável de que a Sra. Bingley simplesmente negligenciou informar o Sr. Bingley sobre a chegada de Jane, algo que parece possível considerando que Jane acredita que está agindo sobre ‘ansiedade por seu irmão’. (Austen 144) Por que ela faz isso? Porque ele é um amigo do Sr. Darcy.

Em ‘Orgulho e Preconceito’, os ricos ‘não alteram seus pontos de vista para se adequar aos fatos’. Eles alteram os fatos para se adequarem aos seus pontos de vista’. Vemos isso repetidas vezes ao longo do livro. Quando um jovem soldado chamado Sr. Wickham vem à cidade, ele alega que o Sr. Darcy foi aparentemente responsável por retirá-lo da propriedade de seu pai, apesar do fato do próprio Sr. Darcy afirmar que o Sr. Wickham está mentindo sobre todo o caso, ou no mínimo, distorcendo severamente a verdade. Uma das principais características que Elizabeth tenta definir por si mesma é seu amor pela racionalidade, mas apesar disso, ela imediatamente toma Wickham pelo valor de face, até mesmo alegando que ele se aborreceu com o escrutínio, apesar de ela não ter duvidado uma única vez de suas palavras. Por quê? Certamente porque ‘o que quer que ele tenha dito foi bem dito’ (Austen)[80], mas essa não é a razão principal. A principal razão pela qual ela acredita nele é que isso justifica sua primeira impressão de Darcy, em vez de fazê-la reavaliar suas opiniões. Sua ‘lógica’ é muito simplesmente que tudo sobre Darcy deve ser podre por causa desse insulto inicial e, por mais engraçado e divertido que seja agora, tem conseqüências terríveis mais adiante no livro.

Se o leitor tem familiaridade com este livro, ou qualquer um dos filmes, paródias ou outro conteúdo associado, ele pode estar se perguntando como a carta escrita pelo Sr. Darcy perto do final do volume dois se encaixa em tudo isso. Certamente esta carta que afeta tão drasticamente uma mudança em Elizabeth, e faz com que ela admita como ‘miseravelmente [ela] agiu’ vai desfazer estas primeiras impressões. Bem, sim…e não. Na segunda metade do livro vemos quase uma inversão completa dos dois volumes anteriores, com as impressões de Elizabeth quase totalmente invertidas. Enquanto antes, Darcy era nada menos que o homem mais repugnante do planeta, e Wickham era nada menos que um perfeito cavalheiro, sua opinião sobre Wickham (razoavelmente) cai, enquanto sua opinião sobre Darcy sobe porque ela gostava da flora ao redor do terreno de sua mansão.