Subtexto do marxismo na Adaptação do romance original de Tim Burton por Roald Dahl, Charlie e A Fábrica de Chocolate

Marx acreditava que a burguesia possuía os meios de produção e ganhava um lucro com o valor excedente dos trabalhadores. Este conceito chave no pensamento marxista, mais-valia, é a quantia excedente que o proletariado ganha além de seu trabalho e quanto a burguesia lucra com seu trabalho. Este conceito intrinsecamente explorador é retratado através da força de trabalho da Oompa Loompa, pois eles são considerados responsáveis pela automação da fábrica de chocolate Wonka. Estes indivíduos indígenas foram recrutados por Willy Wonka quando deixaram a ilha empobrecida de onde eram originários e deveriam ser pagos em grãos de cacau, não um salário permutável por seu trabalho. Isto destaca como a riqueza e o lucro da classe alta aumenta devido à exploração da classe trabalhadora.

A hierarquia de classes e o materialismo são vistos de forma distinta ao longo do filme, pois a trama se concentra na produção de chocolate e retrata a ganância das classes altas, especialmente através dos personagens de Mike Teavee, Augustus Gloop, Violet Beauregarde e Veruca Salt. Baseando-se em Marx e Engels, Mike Wayne observa que suas idéias sobre materialismo têm implicações para a compreensão do estudo da mídia. No sentido marxista, o conceito de materialismo tem um duplo significado, pois ‘significa pura fisicalidade mais relações sociais’ (Wayne 2003, pp.121-122). Isto pode ser aplicado ao filme, pois o materialismo é retratado através das crianças à medida que elas são atraídas pelos objetos materialistas que as cercam, enquanto que o único desejo de Charlie era beneficiar sua família, vindo de um meio menos abastado.

Há um subtexto claro do marxismo na adaptação de Tim Burton do romance original de Roald Dahl, Charlie e a Fábrica de Chocolate (2005). O filme segue a história de um jovem de classe baixa, Charlie Bucket, que, junto com outras quatro crianças, ganha um ‘bilhete de ouro’ encontrado nas barras de chocolate de Willy Wonka que lhes permite visitar sua fábrica. As classes sociais polarizadas de todas as cinco crianças se reúnem quando se encontram, pois estão unidas pelo famoso bilhete dourado.

Um dos princípios principais da teoria marxista envolve a idéia de uma estrutura de classe social. Marx acreditava que havia duas classes principais dentro da estrutura de classe social identificadas como a burguesia ou capitalista e o proletariado. O proletariado é uma enorme massa de trabalhadores que são explorados pela classe dominante e cuja condição se torna cada vez mais desesperada (Berger, 2005). Estas classes que interagem através do que Marx chamou de ‘conflito de classes’. Este conflito resultou em mobilidade social limitada devido às classes agirem de forma a beneficiar seus próprios interesses.

O marxismo é uma teoria baseada na obra de Karl Marx, um filósofo que escreveu no século XIX, e ele desenvolveu suas idéias focalizando o poder econômico e social nas sociedades e desde então influenciou o trabalho de muitos teóricos. Embora Marx não escreva explicitamente na mídia, ele discute o efeito geral das mudanças nas comunicações ao longo de seu trabalho.

Em geral, Charlie e a Fábrica de Chocolate associam-se à teoria marxista através da injustiça e da hierarquia de classes que é clara em todo o processo e mostra as conseqüências do capitalismo.