Temas de Perda e Inocência em Blackberry Picking de Seamus Heaney e no Parque de Gwen Harwood

Poemas Blackberry Picking de Seamus Heaney e no Parque de Gwen Harwood exploram temas de perda e inocência. Heaney e Harwood se concentram ambos na idéia e temas da juventude que entra na vida adulta, desde uma criança inocente ou uma época em sua juventude onde perceberam a vida com esperança e altas expectativas até a vida adulta que mostra suas duras realidades e desapontamento. Ambos os poetas utilizam o simbolismo para explorar temas de perda de inocência, mostrando o contraste entre a juventude e o crescimento de ser feliz e jovem para ser desapontado. Ambos os poetas usam um tom negativo em seus poemas e usam imagens e similitudes para descrever e explorar o passar do tempo. Heaney usa imagens e mudanças de tom negativo para descrever como as bagas pretas ao longo do tempo se tornaram um ‘pêlo, um fungo cinza de rato’ para mostrar ao público a mudança de humor e a visão que Heaney viu. Enquanto a primeira estrofe Heaney usa imagens sensuais e um tom mais positivo para descrever este tipo de estrofe, ele usa técnicas como similes para explorar o gosto e o cheiro »doce como vinho espesso’ Heaney descreve as amoras pretas antes que elas se tornem podres. Harwood usa o passar do tempo para seu poema, ela usa imagens como ‘luzes cintilantes’ para descrever o passar do tempo.

‘No Parque’ tem temas de juventude-maternidade Harwood usa simbolismo para mostrar ao leitor como a vida do homem e a vida da mulher são representadas. Quando a mulher vai ao parque, ela encontra seu ex e percebe como suas vidas se tornaram diferentes e os caminhos opostos que tomaram. Harwood descreve como a mulher não tem tempo para cuidar de si mesma ‘suas roupas estão desatualizadas’ simbolicamente significando que ela usa as mesmas roupas antigas e sua vida é extremamente focada em seus filhos, ela não tem tempo para comprar nada novo. O homem é mencionado por ter uma ‘cabeça limpa’, o que significa que ele tem um corte de cabelo limpo na moda e mostra simbolicamente que ele tem todo o tempo e dinheiro para cuidar dele. Harwood descreve como ele é tão abençoado por ter seguido em frente e não estar com as mulheres e seus três filhos ou ele teria acabado como ela. Na colheita das amoras, Heaney usa o simbolismo nas amoras, as amoras frescas são um símbolo que é mencionado na primeira estrofe onde as bagas são bonitas, doces e frescas que podem contrastar com a juventude, a esperança e as altas expectativas na vida. Depois, na estrofe seguinte tem o simbolismo de amoras podres, onde as amoras se tornam ‘um pêlo, um fungo cinzento de rato, glutuando em nosso esconderijo’ e as amoras se tornam fermentadas e grosseiras, podem simbolizar e contrastar com o envelhecimento, a dura realidade e a beleza se desvanecendo, tornando a mãe mais empática para o público.

Em suma, ambos os poetas usam símbolos e temas para se conectar com a idéia de juventude e altas expectativas que se tornam confrontadas com o envelhecimento, o crescimento e a decepção e temas de perda são mostrados quando esperanças, felicidade e sonhos se tornam esmagados.